quarta-feira, 10 de agosto de 2005

Exponencial

[2004]
Vou colocar aqui um artigo muito interessante extraído do livro "Bilhões e Bilhões" do Carl Sagan. Tem bastante a ver com as aulas que eu tive sobre ecologia de populações no mestrado.


As exponenciais constituem a idéia central por trás da crise da população mundial. Durante a maior parte da existência humana sobre a Terra, a população era estável, com os nascimentos e as mortes quase em equilíbrio. Depois da invenção da agricultura, a população humana deste planeta começou a aumentar, entrando numa fase exponencial, que está muito longe do estado estacionário. No presente, o tempo de duplicação da população mundial é de cerca de 40 anos. Como Malthus apontou em 1798, uma população que cresce exponencialmente vai superar qualquer aumento concebível de alimentos. Nenhuma Revolução Verde, nenhum cultivo de plantas fora do solo, nenhum método que faça os desertos florescerem, nada disso poderá dar conta de um crescimento populacional exponencial.


Não há, tampouco, solução extraterrestre para esse problema. Atualmente, há mais 240.000 pessoas nascendo do que morrendo a cada dia. Estamos muito longe de poder enviar 240.000 pessoas para o espaço a cada dia. Mesmo que fosse possível enviar todo mundo sobre a Terra para planetas de estrelas distantes a uma velocidade maior que a da luz, quase nada mudaria - todos os planetas habitáveis da Via Láctea estariam lotados em aproximadamente um milênio. A menos que diminuamos nossa taxa de reprodução. Nunca subestime uma exponencial.


Parece estranho. Na maioria das vezes eu leio ou ouço as pessoas falando como se as exponencias tivessem deixado de ser um problema. Nunca deixou. Podemos ter postergado a solução desse problema com o uso de tecnologias mais avançadas, mas o poder da tecnologia não é infinito. O nosso planeta não é capaz de suportar um número infinito de pessoas.

Vamos lá, comentem!

5 comentários:

Christóvam disse...

Realmente é preocupante, mas não tenho uma opinião formada, não sei como faremos para controlar o crescimento da população, quem sabe teremos de colonizar todo o universo!

Christóvam disse...

Acabo de sair da aula de ecossistemas e sei lá, acho que uma das espécies que mais corre o risco de desaparecer é a espécie humana. Estávamos estudando alguns modelos de emissão de gases do efeito estufa para os próximos 100 anos e cheguei a conclusão de que devemos plantar mais eucaliptos e produzir plástico com esse carbono, assim retiramos carbono da atmosfera e o deixamos fora do ciclo do carbono na natureza.

Diário de uma gorda disse...

Eu não quero nem pensar nessa história de exponencial, até por que tenho planos de inluir mais três indivíduos NO MINÍMO nsse calcúlo hahahahahah

Anônimo disse...

O anônimo é o Rodrigo: O texto resume um pouco o que é a minha opinião na verdade. Não adianta uma série de programas para o aprimoramento da agricultura, e outras áreas relacionadas com o sustento de nossa espécie neste planeta. Se não fizermos algo para frear nosso crescimento populacional, com certeza levaremos a Terra a um estado caótico muito antes do que ela deveria chegar. A verdade é que a "falta" de predadores, doenças, etc. Tornou o homem um verdadeiro parasita deste planeta.

Anônimo disse...

O problema proposto é irreal. Não somos bactérias e não nos reproduziremos exponencialmente. Podemos controlar nossa reprodução e já o estamos fazendo com a progressiva tendência mundial de decréscimo da natalidade. É mais fácil a espécie humana desaparecer por causa de guerras.